Nutritional Status and Physical Activity Level of Administrative Employees in a Private Higher Education Institution

Autores

  • Fabiana Costa Teixeira Centro Universitário Anhanguera de Niterói. RJ, Brazil.
  • Gabrielle Nascimento dos Santos Centro Universitário Anhanguera de Niterói. RJ, Brazil.
  • Marcos Vinícius Fidelis da Silva Centro Universitário Anhanguera de Niterói. RJ, Brazil.
  • João Lucas Figueiredo Perrenoud Centro Universitário Anhanguera de Niterói. RJ, Brazil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2023v25n4p243-247

Resumo

Abstract

The low level of physical activity as well as overweight/obesity are associated with chronic diseases, which are the predominant causes of mortality, especially in developing countries. The aim of this study was to evaluate the nutritional status and the physical activity level of administrative collaborators in a private high education institution. A cross-sectional study was performed in 2023 in administrative collaborators of an university located in Niteroi, RJ. Collected data: personal information and health data (questionnaire), weight and height for nutrition status (“adequate body weight or overweight/obese” according to body mass index) and physical activity level (“low or adequate”) according to international questionnaire (IPAQ, short version). Statistical analysis: SPSS, v.21. Results: A total of 54 administrative collaborators (female 70.4%), with means: 37.7 (10.9) years old, body weight 78.0 (22.3) kg, body mass index 28.2 (6.4) Kg/m², with no statistical difference in age by sex (p=0.78) and higher body mass index in men (p=0.012) compared to women. Overweight/obesity was observed in 61,1% (n=33) (CI: 46.9; 764.1%) of the sample. Low physical activity level in 37% (n=20) (CI: 24.3; 51.3%) and adequate in 63% (n=34) (CI: 48.7; 75.7%) of the administrative collaborators, with no statistical difference by nutritional status (p=0.89) nor by sex (p=0.96). It is necessary the development of actions to promote regular physical activity practices among administrative collaborators, including institutional programs for this purpose. These actions can minimize the risk of obesity/overweight, in addition to other complications associated with low level of physical activity.

Keywords: Employees. Exercise. Nutritional Status.

Resumo

O baixo nível de atividade física, bem como o sobrepeso/obesidade estão associados à doenças crônicas não transmissíveis, principais causas de mortalidade, especialmente nos países em desenvolvimento. O objetivo foi avaliar o estado nutricional e o nível de atividade física de colaboradores administrativos de uma instituição privada de ensino superior. Estudo transversal realizado no ano de 2023 em colaboradores administrativos de uma universidade localizada em Niterói, RJ. Os dados coletados foram: informações pessoais e dados de saúde (questionário), peso e altura para estado nutricional (“peso corporal adequado ou sobrepeso/obesidade”, conforme índice de massa corporal) e nível de atividade física (“baixo ou adequado”) de acordo com questionário internacional (IPAQ, versão curta). Análise estatística: SPSS, v.21. Foram avaliados 54 colaboradores administrativos (sexo feminino 70,4%), com médias: 37,7 (10,9) anos, peso corporal 78,0 (22,3) kg, índice de massa corporal 28,2 (6,4) Kg/m², sem diferença estatística na idade por sexo (p=0,78) e maior índice de massa corporal entre homens em relação às mulheres (p=0,012). Sobrepeso/obesidade foi observado em 61,1% (n=33) (IC: 46,9; 74,1%) da amostra. Baixo nível de atividade física em 37% (n=20) (IC: 24,3; 51,3%) e adequado em 63% (n=34) (IC: 48,7; 75,7%) dos colaboradores administrativos, sem diferença estatística por estado nutricional (p=0,89) e sexo (p=0,96). Conclui-se serem necessárias ações que promovam a prática regular de atividade física entre colaboradores administrativos, incluindo programas institucionais para esse fim. Essas ações podem minimizar o risco de obesidade/sobrepeso, além de outras intercorrências associadas ao baixo nível de atividade física.

Palavras-chave: Funcionários Atividade. Exercício Físico. Estado Nutricional

Referências

Després, JP. Physical Activity, Sedentary Behaviours, and Cardiovascular Health: When Will Cardiorespiratory Fitness Become a Vital Sign? Can J Cardiol. 2016; 32(4): 505–13 doi: 0.1016/j.cjca.2015.12.006

Silveira EA, Mendonca CR, Delpino FM, Souza GVE, Rosa LPS, Oliveira C et al. Sedentary behavior, physical inactivity, abdominal obesity and obesity in adults and older adults: A systematic review and meta analysis. Clin Nutr ESPEN. 2022; 50:63-73 doi: 1 0.1016/j.clnesp.2022.06.001

Vos T, Lim, SS, Abbafat, C, Abbas KM, Abbasi M, Abbasifard M, et al. Global burden of 369 diseases and injuries in 204 countries and territories, 1990–2019: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. The Lancet. 2020; 396(10258), 1204-22. doi: 10.1016/S0140-6736(20)30925-9

VIGITEL Brasil 2021: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde; 2022.

Bottcher, LB. Atividade física como ação para promoção da saúde. Revista Gestão & Saúde 2019; 98-11.

Bull FC, Al-Ansari SS, Biddle S, Borodulin K, Buman MP, Cardon G, et al. World Health Organization 2020 guidelines on physical activity and sedentary behaviour. Br J Sports Med. 2020; 54(24):1451-62 doi: 10.1136/bjsports-2020-102955

Isakson E. A sporting chance: physical activity as part of everyday life. Lancet 2021; 398, 365 doi: 10.1016/ S0140-6736(21)01652-4

Ozemek C, Lavie CJ, Rognmo Ø. Global physical activity levels-Need for intervention. Progress in cardiovascular diseases 2019; 62(2):102-07 doi: 10.1016/j.pcad.2019.02.004

Silva AMR, Santos SVM, Lima CHF, Lima DJP, Robazzi MLCC. Fatores associados à prática de atividade física entre trabalhadores brasileiros. Saúde debate. 2018; 42(119):, 952-64 doi: 10.1590/0103-1104201811913

Pereira GP, Silva CMGD. Prática de atividade física e qualidade de vida no trabalho do docente universitário: revisão bibliográfica. Braz. Journal of Development. 2020; 6(10): 74997-75013 doi: 10.34117/bjdv6n10-067

Alencar GP; Rabacow FM, Carvalho AMA. Fatores associados à prática insuficiente de atividade física em professores escolares brasileiros: um estudo de revisão integrativa. Multitemas 2021;103-124 doi: 10.20435/multi.v26i62.3005

Monteiro LZ, Lira BA, Souza P, Braga Junior FD. Barreiras Percebidas para a Prática de Atividade Física entre Servidores do Setor Administrativo de uma Faculdade do Distrito Federal. Ciencia & Trabajo.2018; 20 [62]: 97-102).

WHO, World Health Organization, 2014. Global status report on noncommunicable diseases. World Health. 176 Available from: http://www.who.int. (acessado em abril 2023).

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade F, Oliveira LC et al. Questionário internacional de atividade física: estudo de validade e reprodutividade no Brasil. Rev bras de atividade física & saúde, RJ 2001; 6(2): 5-18.

Rocha W, Lima TCM, Teixeira FC. Physical Activity Level and Eating Habits of University Professors in a Private Educational Institution. J. Health Sci. 2023; 25(1), 32-37 doi: 10.17921/2447-8938.2023v25n1p32-37

Lopes JMP, Macedo MTS, Silva WMC, Meirelles Filho AR, Rocha JSB. Nível de atividade física e fatores associados em colaboradores de um centro universitário. Rev. Bras. de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2020; 14(91): 473-80.

Udo T, Grilo CM. Physical activity levels and correlates in nationally representative sample of US adults with healthy weight, obesity, and binge eating disorder. J. Eat. Disord. 2020; 53(1), 85-95 doi: 10.1002/eat.23199

Campbell SD, Brosnan BJ, Chu AK, Skeaff CM, Rehrer NJ, Perry TL et al. Sedentary behavior and body weight and composition in adults: a systematic review and meta-analysis of prospective studies. Sports Medicine. 2018; 48: 585-595 doi: 10.1007/s40279-017-0828-6

Alves J, Andrade KA, Pachú, CO. A influência da atividade física para pessoas com obesidade: uma revisão integrativa. Research, Society and Development 2022, 11(1), e37311125036-e37311125036 doi.org/10.33448/rsd-v11i1.25036

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2021.

Faria TMTR, Silva AGD, Claro RM, Malta DC. Tendências temporais e mudanças pós-pandemia de COVID-19 na prevalência de atividade física e comportamento sedentário em adultos brasileiros entre 2006 e 2021. Rev Bras Epidemiol. 2023; 26, e230011. doi.org/10.1590/1980-549720230011

Downloads

Publicado

2024-01-05

Como Citar

1.
Teixeira FC, Santos GN dos, Silva MVF da, Perrenoud JLF. Nutritional Status and Physical Activity Level of Administrative Employees in a Private Higher Education Institution. J. Health Sci. [Internet]. 5º de janeiro de 2024 [citado 5º de março de 2024];25(4):243-7. Disponível em: https://journalhealthscience.pgsscogna.com.br/JHealthSci/article/view/11574

Edição

Seção

Artigos