Liver Transplants from Donors with Schistosomiasis: Clinical and Epidemiological Profile of Patients at Clinics Hospital of Sao Paulo, Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2024v26n1p53-56

Resumo

Abstract

Organ transplantation is a surgical procedure that consists of awarding an organ. Considering that the transplantation of an organ or tissue is very competitive, due to the low rate of donors and as the function of the liver is preserved even in controlled schistosomatic fibrosis, it is possible to donate the organ even with the liver infected by verminosis. By analyzing the prevalence and evolution of liver donors with schistosomiasis in liver transplants performed at Hospital das Clínicas, Faculty of Medicine, University of São Paulo - HCFMUSP. This is a descriptive study, consisting of a series of cases, with a retrospective and cross-sectional analysis. The study evaluated the medical records of patients being followed up at the Liver Transplant Outpatient Clinic, at HCFMUSP, from January 2002 to December 2020. The Department of Pathology at USP found 16 patients with records of schistosomiasis reports, of which only one was effective as a donor, since the other patients were excluded due to the state of law of the organ. An analysis showed that almost all donors were men with schistosomiasis with a mean age of 52.55 years. In this context, there was a prevalence of a case of a liver donor with the hepatointestinal form of schistosomiasis, later the organ was transplanted, and the recipient, presented a good evolution until this moment, having been analyzed clinically and laboratory. It is noteworthy that this is the first HCFMUSP study that evaluates liver donors with schistosomiasis mansoni and the evolution of the respective recipient.

Keywords: Schistosomiasis. Liver Transplantation. Epidemiology. Brazil.

Resumo

O transplante de órgãos é um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão. Haja vista que o transplante de um órgão ou tecido é muito concorrido, em decorrência da baixa taxa de doadores e como a função do fígado está preservada mesmo na fibrose esquistossomatica avançada é possível doador o órgão mesmo com o fígado infectado pela verminose. O objetivo desse estudo foi analisar a prevalência e evolução de doadores fígado, portadores de esquistossomose, nos transplantes hepáticos realizados no Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - HCFMUSP. Trata-se de um estudo descritivo, composto por uma série de casos, sendo a analise retrospectiva e de corte transversal. O estudo avaliou os prontuários de pacientes em seguimento no Ambulatório de Transplante hepático, do HCFMUSP, no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2020. O departamento de Patologia da USP constatou 16 pacientes com registros de laudos de esquistossomose, dos quais somente um foi efetivado como doador, uma vez que os outros pacientes foram excluídos em razão do estado de deterioração do órgão. A análise mostrou que quase a totalidade dos doadores eram homens com esquistossomose com idade média de 52,55 anos. Dentro desse contexto, houve a prevalência de um caso de um doador hepático portador da forma hepatointestinal de esquistossomose, posteriormente o órgão foi transplantado, e o receptor, apresentou uma boa evolução até este momento tendo sido analisado clinicamente e laboratorialmente. Vale ressaltar, que este é o primeiro estudo do HCFMUSP que avalia doadores de hepáticos portadores de esquistossomose mansoni e a evolução do respectivo receptor.

Palavras-chave: Esquistossomose. Transplante de Fígado. Epidemiologia. Brasil.

Downloads

Publicado

2024-04-24

Como Citar

1.
Almeida TTS de, Santo MCC do E, Abdala E. Liver Transplants from Donors with Schistosomiasis: Clinical and Epidemiological Profile of Patients at Clinics Hospital of Sao Paulo, Brazil. J. Health Sci. [Internet]. 24º de abril de 2024 [citado 13º de julho de 2024];26(1):53-6. Disponível em: https://journalhealthscience.pgsscogna.com.br/JHealthSci/article/view/10592

Edição

Seção

Artigos